The Fool: o coletivo de artistas que levou os Beatles a psicodelia
The Fool: o coletivo de artistas que levou os Beatles a psicodelia

The Fool: o coletivo de artistas que levou os Beatles a psicodelia

Do Hypeness - Todo grande fã dos The Beatles que se preze já ouviu falar ao menos no coletivo The Fool, que trabalhou com a banda no final dos anos 60. Pra quem não é beatlemaniaco e não sabe recitar cada detalhe de cada página da história da maior banda de todos os tempos, o grupo de artistas e designers holandeses é um dos grandes responsáveis pelas cores explosivas e misturadas, as formas e temas que marcaram a psicodelia da época. Entre batas coloridas, sobreposição de cores e tecidos, estrelas, planetas e temas místicos, o The Fool foi pioneiro ao desenhar, colorir e decolar a estética que tanto marcou e influenciou o final da década de 60 em um dos mais emblemáticos momentos do século XX.

Leia também: Há 52 anos, os Beatles faziam seu último show no topo do prédio da sua gravadora Apple Records

O nome The Fool veio da carta de tarô “O Louco”, e o grupo foi criado originalmente pelos artistas holandeses Simon Posthuma e Marijke Koger como uma dupla de estilistas assinando roupas e obras de arte. O grupo foi descoberto enquanto vivia em Ibiza em uma reportagem para o jornal The Times em 1967 mostrando suas roupas coloridas e criações. As cores e formas eram tão radicalmente diferentes da forma de se vestir dos jovens de então, que reza a lenda que no dia seguinte da reportagem o The Fool era o assunto entre a juventude de Londres – e naturalmente também chamou a atenção dos Beatles como líderes da geração.

The Fool: o coletivo de artistas que levou os Beatles a psicodelia
Barry e Marijke recebem John Lennon em Londres em 1967

 

A parceria com os Beatles começou através do empresário da banda, Brian Epstein, que inicialmente contratou o grupo para desenhar as filipetas e pôsteres de divulgação, até que um dia, John Lennon e Paul McCartney apareceram sem aviso prévio no apartamento de Marijke em Londres: ela leu o tarô para os dois, e reza a lenda que foi de tal evento que Paul tirou a inspiração para escrever a clássica canção “The Fool on the Hill”. A arte do The Fool impressionou a dupla, que não teve dúvidas em contratar o grupo para criar o figurino das duas filmagens que a banda viria a fazer: a apresentação da música “All You Need is Love” na primeira transmissão via satélite ao vivo para todo o mundo – assistida por mais de 700 milhões de pessoas em 25 de junho de 1967 – e o filme Magical Mistery Tour.

The Fool: o coletivo de artistas que levou os Beatles a psicodelia
Os Beatles vestindo figurinos criados pelo grupo no vídeo de “I Am The Walrus”, em cena do filme Magical Mistery Tour

 

The Fool: o coletivo de artistas que levou os Beatles a psicodelia
A banda vestindo The Fool apresentando “All You Need is Love”

 

Apple Boutique

A grande criação do The Fool em parceria com os Beatles, porém, foi a Apple Boutique, uma loja que vendia roupas e acessórios psicodélicos para a juventude londrina – e que se anunciava com impacto desde sua inauguração, em dezembro de 1967, não só por ter os Beatles como proprietários, mas também por um imenso mural colorido e que cobria todo o prédio 94 da Baker Street. E o The Fool assinava a criação de tudo, desde a decoração e mural, até as roupas e acessórios que moveram multidões ao local.

The Fool: o coletivo de artistas que levou os Beatles a psicodelia
O mural criado para a Apple Boutique, que teve de ser pintado de branco pouco após a inauguração

 

The Fool: o coletivo de artistas que levou os Beatles a psicodelia
Os artistas do grupo dentro da Apple Boutique

 

O sonho de “um lugar lindo onde pessoas lindas podem comprar coisas lindas”, como definiu McCartney, durou pouco: pouco tempos depois da abertura o mural teve de ser pintado por ordem da prefeitura de Londres, as peças eram muito caras para serem feitas, os roubos de roupas e acessórios eram constantes, o caos era quem cuidava das finanças e da administração do negócio, e a Apple Boutique fechou em julho de 1968.  A parceria, porém, seguiu, e o grupo desenvolveu diversas peças imortais para os Beatles: pinturas nos pianos de John e Paul, em um carro de George Harrison, assim como a arte do envelope interno do disco Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band.

The Fool: o coletivo de artistas que levou os Beatles a psicodelia
George Harrison com seu carro pintado pelo The Fool

 

The Fool: o coletivo de artistas que levou os Beatles a psicodelia
A lareira na casa de Harrison também foi estilizada pelo grupo

 

O grupo não trabalhou somente com os Beatles, tendo criado figurinos para a banda The Hollies, assim como a capa do disco Evolution, figurinos de show para o Procol Harum, assim como figurinos e desenhos especiais para os instrumentos da lendária banda Cream: a guitarra de Eric Clapton, o baixo de Jack Bruce e a bateria de Giger baker foram pintadas com as cores e a estética do grupo para a turnê de 1967, e muito mais.

The Fool: o coletivo de artistas que levou os Beatles a psicodelia
Eric Clapton, à época do Cream, com sua Gibson SG também estilizada

 

The Fool: o coletivo de artistas que levou os Beatles a psicodelia
Mural na parte exterior do teatro Aquarius

 

O The Fool ainda lançaria um disco próprio. e realizaria, em Los Angeles, o maior mural do mundo até então, na parte exterior do teatro Aquarius para uma montagem da peça Hair, em 1968. Em seguida o grupo se separaria e cada um tomaria o próprio rumo: Marijke até hoje vive em Los Angeles, pintando e criando, como uma artistas e designer que ajudou a dar cor e cara à década de 60 como um dos períodos mais transformadores da cultura recente.

The Fool: o coletivo de artistas que levou os Beatles a psicodelia
Marijke Koger em foto tirada por Linda McCartney

 

Os Beatles foi aquele momento na história que veio para eternizar a atitude, ousadia e vida da juventude.

 

Texto: Vitor Paiva
Fotos: Messy Nessy/reprodução