direitos

  • Governo Temer suspende todas as novas contratações do Minha Casa, Minha Vida

    O governo do presidente em exercício Michel Temer (PMDB-SP) abandonou meta empregada por Dilma Rousseff (PT-RS) de contratar 2 milhões de moradias do programa Minha Casa, Minha Vida até 2018. A informação é do ministro das Cidades Bruno Araújo, que disse ao jornal Estado de São Paulo que a terceira etapa do programa está suspensa e passará por um "aprimoramento".

    O ministro estimou que 40 dias será o tempo necessário para avaliar principal vitrine de sua pasta. Segundo ele, a nova meta que será decidida para o programa vai depender das contas públicas, que será analisada pela equipe econômica de Temer, da qual o ministro da Fazenda Henrique Meirelles é o chefe.

    Ele explica que "metas realistas" não geram expectativas falsas nos empresários e nos beneficiários das casas.

    Dilma havia anunciado em julho de 2014 a terceira fase do programa e prometeu construir 3 milhões de casas até o fim de 2018, número reiterado outras vezes por ela. Depois, ela recuou meta para 2 milhões de unidades, com investimentos que poderiam chegar a R$210,6 bilhões, sendo R$41,2 bilhões do Orçamento-Geral da União.

    Há mais de 46 mil moradias da faixa 1 - que atende famílias que ganham até R$ 1,8 mil) - concluídas. Dessas mais de 15 mil estão em cidades do interior com menos de 50 mil habitantes.

    Reprodução O Povo

  • Rio de Janeiro tem dia histórico contra a redução da maioridade penal

    Mais de 20 mil pessoas se reuniram no grande festival realizado por coletivos, movimentos sociais e artistas.

    O movimento Amanhecer contra Redução surgiu em meados de abril, inspirado na campanha uruguaia No a la Baja, que impediu a redução da maioridade penal no país vizinho. Uma iniciativa de jovens criativos, principalmente estudantes secundaristas, para resistir à redução, de uma forma didática e leve, com a cultura.