Colors: Orange Color

O governo do presidente em exercício Michel Temer (PMDB-SP) abandonou meta empregada por Dilma Rousseff (PT-RS) de contratar 2 milhões de moradias do programa Minha Casa, Minha Vida até 2018. A informação é do ministro das Cidades Bruno Araújo, que disse ao jornal Estado de São Paulo que a terceira etapa do programa está suspensa e passará por um "aprimoramento".

O ministro estimou que 40 dias será o tempo necessário para avaliar principal vitrine de sua pasta. Segundo ele, a nova meta que será decidida para o programa vai depender das contas públicas, que será analisada pela equipe econômica de Temer, da qual o ministro da Fazenda Henrique Meirelles é o chefe.

Ele explica que "metas realistas" não geram expectativas falsas nos empresários e nos beneficiários das casas.

Dilma havia anunciado em julho de 2014 a terceira fase do programa e prometeu construir 3 milhões de casas até o fim de 2018, número reiterado outras vezes por ela. Depois, ela recuou meta para 2 milhões de unidades, com investimentos que poderiam chegar a R$210,6 bilhões, sendo R$41,2 bilhões do Orçamento-Geral da União.

Há mais de 46 mil moradias da faixa 1 - que atende famílias que ganham até R$ 1,8 mil) - concluídas. Dessas mais de 15 mil estão em cidades do interior com menos de 50 mil habitantes.

Reprodução O Povo

O levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que o percentual médio de trabalhadores com carteira de trabalho assinada no setor privado em relação à população ocupada (incluindo os trabalhadores informais) aumentou em 12 anos 19,9 pontos percentuais, passando de 39,7% em 2003 (7,3 milhões), para 59,6% em 2014. Houve, no período, acréscimo de 4,4 milhões de empregados formais no conjunto de trabalhadores.

Boletim Eletrônico

Receba nossas notícias em seu e-mail:


Somos FeedBurner e contra SPAM